Quem Confia na Espada Perece na Espada

“Jesus advertiu os indivíduos e nações do mundo de que aqueles que confiassem no poder da espada acabariam perecendo pela espada. Em relação à natureza humana, o ódio engendra ódio (…)”

O mal é como um bumerangue; um assassino atrai para si uma vibração prejudicial equivalente à que ele mesmo criou.

(…) Jesus pediu às nações que guardassem as espadas do ódio na bainha do autocontrole e abolissem o uso da pólvora das atitudes vingativas. As guerras modernas – em que a população desarmada e distante das linhas de frente da batalha se torna alvo de bombas de longo alcance e de destruição tanto quanto as tropas de combate – são um impiedoso testemunho de que as guerras agressivas de conquista trazem aos invasores perdas tão dolorosas quanto as que sofrem os invadidos. Cuidado, ó conquistadores e nações agressivas, pois aqueles que usarem a espada perecerão pela espada!

Em meio ao tumulto do momento, Jesus lembra aos discípulos que, se ele assim desejasse, poderia escapar da prova espiritual da crucificação pedindo a Deus e que enviasse os próprios anjos do céu para protegê-lo; ou que ele tinha o poder de simplesmente homem desmaterializar o corpo. Com a magnitude de seu domínio espiritual, apesar de estar encarnado em um corpo físico, ele poderia opor-se completamente à lei do karma, a qual desempenhava seu papel de causa e efeito; mas ele preferiu não exigir privilégios especiais. Jesus há muito sabia quais seriam os resultados de sua coragem divina ao pregar a verdade de Deus e opor-se aos males sociais. Entretanto, pelo bem das pessoas perversas que desejava reformar e pelas almas que salvaria com seu sacrifício, ele havia decidido sofrer as consequências (…)

(…) Revidar um golpe com outro golpe é um comportamento humano; responder com bondade a um golpe é santidade. Jesus demonstrou sua identidade como Filho de Deus ao agir como um deus, e não como um homem.”

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol. III. Editora Self, 2017, pág. 370-372.

Capítulo 73: A agonia de Jesus no jardim de Getsêmani e sua prisão.

Publicado por

Juliano Pozati

Strengths coach, Escritor, Espiritualista e empreendedor. Membro do Conselho do The Institute for Exoconsciousness (EUA). Meio hippie, meio bruxo, meio doido. Pai do Lorenzo e fundador do Círculo. Bacharel em Marketing, expert em estratégia militar, licenciando em filosofia. Empreendedor inquieto pela própria natureza. Seu fluxo é a realização!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.