Espírito Transcendente

“O elo entre o manifestado e o Não-manifestado é o Espírito Santo, a Vibração Sagrada de Om; e o modo de cruzar esta ponte é pela comunhão com essa Vibração do Espírito Santo. No êxtase espiritual, aquele que medita percebe a vibração individual de sua vida e de todas as vidas emanando do Espírito Santo cósmico, no qual está inerente a Inteligência Crística, refletida do Pai- a qual, por sua vez, eleva a consciência ao Espírito transcendente.

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol. I. Editora Self, 2017, pág. 341-342.

Capítulo 18: Adorar a Deus “Em Espíto e em verdade”. A Mulher de Samaria, Parte II.

O Espírito Dá à Luz a Criação

“(…) cada uma é individualmente dotada por Deus com os poderes e as características que melhor servirão à sua missão divina e sustentarão o realismo ilusório do drama cósmico ao tornarem reais, em sentido relativo, as experiências por que passam ao representarem o seu papel como alma encarnada.”

(…)

A fim de manifestar a criação, o Espírito dá origem a uma vibração de dualidade, dividindo Seu Ser Unico no Criador inativo transcendente e na Sua Força Criadora ativa: o Deus-Pai e a Mãe-Natureza Cósmica. O Espírito e a Natureza, o sujeito e o objeto, o positivo e o negativo, a atração e a repulsão – é a dualidade que torna possível o surgimento do múltiplo a partir do Uno. Em Sua ativa Vibração Criadora que materializa a criação (Espírito Santo ou Maha-Prakriti), o Próprio Deus está subjetivamente presente em um reflexo imutável e inabalável, o Espírito Universal na criação: Kutastha Chaitanya, a Consciência Crística ou Consciência de Krishna. Essa Inteligência orientadora imanente – a consciência subjetiva ou alma do universo – possibilita a estruturação da Força Vibratória onipotente em miríades de manifestações objetivas; assim, no ventre da Mãe Natureza, o Espírito dá à luz a criação.

(…)

(…) em verdade, é o Espírito que Se tornou a criação, que todas as coisas são apenas uma gloriosa diversificação de Deus.”

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol. I. Editora Self, 2017, pág. 314-316.

Capítulo 16: Alegrar-se com a voz do Esposo.

Yoga

“Quando alguém se senta em silêncio, tranquilo, ele acalma parcialmente a força vital em seu fluxo para os nervos, libertando-a dos músculos; seu corpo está temporariamente relaxado. Mas sua paz é facilmente perturbada por qualquer ruído ou qualquer outra sensação que chegue até ele, porque a energia vital que continua a fluir para o exterior, através da via espiralada, mantém os sentidos em operação.

(…)

O iogue conhece a arte científica de se desconectar conscientemente dos nervos sensoriais, de modo que nenhuma perturbação externa proveniente da visão, da audição, do tato, do paladar ou do olfato possa ter acesso ao santuário interior de sua meditação impregnada de paz.

(…)

Um “filho do homem” prisioneiro do corpo não pode ascender à liberdade celestial apenas com palavras; ele tem de saber como desatar o nó espiralado da força de kundalini, na base da coluna vertebral, a fim de transcender o confinamento da prisão corporal.”

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol. I. Editora Self, 2017, pág. 290-292

Capítulo 13: O segundo nascimento do homem: o nascimento no Espírito – Diálogo com Nicodemos, parte I.

Energia na Consciência Cósmica de Deus

“A ciência postula que cada grama de carne no corpo humano possui suficiente energia em seus componentes eletroprotônicos para manter o suprimento de energia da cidade de Chicago durante dois dias.

(…)

Toda a consciência, a energia e as formas existem na imanente e transcendente Consciência Cósmica de Deus e se desenvolvem a partir dela.”

(…)

Nota: A consciência como um fator no sustento do homem é demonstrável no fenômeno do sono. O mecanismo humano precisa periodicamente ser recarregado, retirando-se para a subconsciência no estado de sono, no qual a consciência e as células corporais são revitalizadas por meio do contato com a superconsciência da alma. Os efeitos rejuvenescedores do sono devem-se à perda temporária, no ser humano, da consciência do corpo e da respiração. Dormindo, a pessoa torna-se um iogue: todas as noites executa inconscientemente o rito iogue de libertar-se da identificação com o corpo e de fundir sua força vital nas correntes curativas na área central do cérebro e nos seis subdínamos dos centros espinais. Sem ter conhecimento, o homem, ao dormir, é recarregado pela Energia Cósmica que sustenta toda a vida.

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol. I. Editora Self, 2017, pág. 187-188.

Capítulo 8: A Tentação de Jesus no deserto.

O Esforço por Plenitude Resulta da Ilusão

“A emancipação é acelerada quando se encena o drama vivo de uma perfeita existência de saúde, abundância e sabedoria, com desa pegada transcendência mental. As dualidades da dor e do sofrimento criadas por Satã são em muito atenuadas pela mente forte que não exacerba o sofrimento por meio do medo ou de uma imaginação exal tada; ou seja, se pudermos afastar a consciência de doença e não temer a enfermidade quando ela se apresenta, e se não ansiarmos pela saúde ao sofrermos com alguma doença, isto nos ajudará a recordar nossa própria alma, o Eu transcendente que jamais experimentou as flutuações de saúde e doença, mas é sempre perfeito.

O homem deveria saber que seu esforço por plenitude resulta da ilusão; pois ele já possui tudo que ne cessita em seu poderoso Eu interior. Ele equivocadamente imagina que carece de tais dons divinos ao identificar-se com mortais espiritual mente ignorantes. Tudo o que necessita é conhecer a eterna plenitude do tesouro de sua alma.”

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol. I. Editora Self, 2017, pág. 165-166.

Capítulo 7: O papel de Sată na criação de Deus.

O Caminho Reto Para a Ascensão

Primeiro, a força vital e a consciência precisam para a suprema ser retiradas dos sentidos e da inquietude corporal, cruzando os portais da Energia Cósmica representada pelo halo dourado do olho espiritual. Então, a consciência precisa imergir na luz azul que representa a Consciência Crística. Por último, precisa penetrar pela passagem estelar prateada rumo ao Espírito, nas regiões ilimitadas do Infinito. Essa luz dourada, azul e prateada contém todas as muralhas de raios – eletrônicos, atômicos e vitatrônicos da Vibração Cósmica, que temos de transpassar a fim de alcançar o céu.

Nesses estados mais elevados de meditação, o próprio corpo se torna espiritualizado, abrandando a tenacidade de sua composição atômica para revelar sua subjacente estrutura astral como força vital. A aura frequentemente retratada em torno dos santos não é fruto da imaginação, mas a luz divina interior inundando todo o ser. Pela meditação ainda mais profunda, o corpo astral se sutiliza num corpo causal de consciência. Então, como pura sabedoria, a consciência cau sal transcende as vibrações do Espírito Santo, imergindo na Consciência Crística, através da qual ascende à Consciência Cósmica, o seio de Deus-Pai.”

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol. I. Editora Self, 2017, pág. 139.

Capítulo 6: O batismo de Jesus.

A Estrada Para a Consciência Crística

Aquele que tem os sentidos ocupados no mundo exterior está absorvido no turbulento mercado das interagentes complexidades da matéria na criação. Mesmo com os olhos fechados durante a oração, ou concentrando-se em outros pensamentos, ele ainda permanece no domínio da atividade. O autêntico deserto, onde não há intrusão de pensamentos mortais, inquietude ou desejos humanos, está na transcendência da mente sensorial, da mente subconsciente e da mente superconsciente, quer dizer, ao alcançar a consciência cósmica do Espírito, o “deserto” incriado e inexplorado da Bem-aventurança Infinita.

Enquanto João escutava o Som Cósmico onisciente no deserto do silêncio em seu interior, a sabedoria intuitiva transmitiu-lhe o silencioso comando: “Endireitai o caminho do Senhor”. Manifestai o Senhor – a Consciência Crística subjetiva presente em toda a criação cósmica vibratória – em vosso interior, por meio do sentimento intuitivo desperto quando, no estado d êxtase transcendente, os divinos centros metafísicos de vida e consciência são abertos no caminho reto da coluna vertebral.

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol. I. Editora Self, 2017, pág. 130.

Capítulo 6: O batismo de Jesus.

Espírito Absoluto

Durante sua existência terrena, uma pessoa comum está consciente apenas do corpo, o qual, movendo-se de um lugar para outro, contempla no estado de vigília diferentes porções do espaço circunscrito pela matéria. Entretanto, mesmo um indivíduo comum sente durante o estado de sono o poder superior da mente atuando em sonhos, livre das restrições impostas pelas leis usuais da física; e percebe também, durante o estado de sono profundo sem sonhos, uma limitada esfera da calma alegria da alma. Por outro lado, uma pessoa crística, mesmo durante a existência terrena, não apenas vê, através dos olhos físicos, limitadas porções do espaço, como também contempla, através do olho espiritual da intuição, a totalidade do cosmos manifestado, iluminado pela luz astral e pela Consciência Crística, com todos os planetas e estrelas cintilando como pirilampos na incomensurável vastidão do espaço-tempo.

(…)

Deus-Pai não está limitado à infinitude transcendente; Ele está simultaneamente consciente do vazio eterno além do cosmos manifestado e de cada átomo e força vibratória do universo.

A Consciência Cósmica ou Deus-Pai existe em estado puro além de toda a criação e, de maneira oculta, como a Consciência Crística presente em toda a criação. A fim de manifestar a criação, o Espírito Se divide em Pai Criador, que transcende a criação; Filho ou Consciência Crística, que se reflete na criação; e Vibração Cósmica ou Espírito Santo, a substância da criação. Uma vez que Deus Se dividiu nesses três aspectos, e também no cosmos e em todas as Suas criaturas, os seres humanos que procuram unificar-se novamente com Ele têm primeiro que ascender, por meio da meditação, da consciência de pluralidade para a consciência da trindade: Espírito Santo, Consciência Crística e Deus-Pai. Depois disso, o devoto precisa alcançar a percepção final da trindade ou manifestação triuna de Deus como o Único Espírito Absoluto: a onipresente Bem-aventurança sempre-existente, sempre-consciente e sempre-nova.”

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol. III. Editora Self, 2017, pág. 413-414.

Capítulo 74: A crucificação.

A Vontade é Patrimônio da Alma

Assim como o filho predileto em uma família terrena rogaria confiantemente a seu pai, Jesus suplica amorosamente ao Pai transcendental que Se oculta por trás das muralhas etéreas do céu: “Pai Celestial, uma vez que para Ti tudo é possível, por que não afastas de mim este cálice da crucificação?” Mas enquanto orava para ser poupado da tirânica atuação da Ilusão Cósmica, Jesus reconheceu as incitações da debilidade interior e de imediato acrescentou: “Entretanto, que não se faça minha vontade humana, temerosa de enfrentar esta provação; que se cumpra em minha vida Tua divina vontade guiada pela sabedoria.

(…) “Não se faça a minha vontade, mas a Tua“. Ele jamais aconselhou que os filhos de Deus renunciassem à independência de sua vontade (que é patrimônio da alma) (…) obras o pegue e use novamente. O exemplo de Jesus demonstrou, em vez disso, que o homem deve fazer uso de sua liberdade concedida por Deus para exercer conscientemente sua vontade ao procurar cumprir os desejos do Senhor na Terra. (…) “Seja feita a tua vontade, assim na terra como no céu“. Sintonizar a vontade humana (…) com a vontade de Deus significa habitar na liberdade e alegria de um paraíso interior enquanto se está ainda na Terra.”

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol. III. Editora Self, 2017, pág. 363-364.

Capítulo 73: A agonia de Jesus no jardim de Getsêmani e sua prisão.

Se Me Servir, Meu Pai o Honrará

“E Jesus lhes respondeu, dizendo: “É chegada a hora em que o Filho do homem há de ser glorificado. Na verdade, na verdade vos digo que, se o grão de trigo, caindo na terra, não morrer, fica ele só; mas se morrer, dá muito fruto. Quem ama a sua vida perdê-la-á, e quem neste mundo odeia a sua vida guardá-la-á para a vida eterna. Se alguém me serve, siga-me, e, onde eu estiver, ali estará também o meu servo. E, se me servir, meu Pai o honrará” (João 12:20-26).

(…)

Uma existência egoísta focalizada na preservação do próprio ego – apegado ao corpo e afeiçoado a todas as coisas temporais – constitui uma cerca mental que impede a alma de se expandir no Espírito.

(…)

Todo devoto que esteja em sintonia comigo estará presente na esfera da Consciência Crística, onde sempre habito, e será reconhecido e elevado pelo Pai – a Consciência Cósmica Transcendente.

Agora a minha alma está perturbada; e que direi eu? Pai, salva-me desta hora; mas para isto vim a esta hora. Pai, glorifica o teu nome” (João 12:27-28).

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol. III. Editora Self, 2017, pág. 196-197

Capítulo 66 : “É chegada a hora em que o Filho do homem há de ser glorificado”.