Viajante

“DIZEM QUE Ele era vulgar, o rebento ordinário de uma semente ordinária, um homem rústico e violento. Dizem que só o vento penteava Seus cabelos e só a chuva assentava Suas roupas ao Seu corpo.

Consideram-No louco, e atribuem Suas palavras a demônios. Entretanto, vede, o Homem desprezado lançou um desafio, e o som desse desafio nunca se extinguirá.

Cantou uma canção, e ninguém deterá essa melodia. Ela pairará sobre as gerações e se erguerá de esfera a esfera, lembrando os lábios que lhe deram nascimento e os ouvidos que lhe serviram de berço.

Ele era um forasteiro. Sim, era um forasteiro, um peregrino em Seu caminho para um santuário, um visitante que bateu à nossa porta, um hóspede vindo de uma terra distante.

E porque não encontrou um hospedeiro cortês, voltou para Seu próprio lugar.”

GIBRAN, Gibran Khalil.  Jesus, o Filho do Homem. Tradução: Mansour Challita. Associação Cultural Internacional Gibran, 1973, pág. 144.

Publicado por

Juliano Pozati

Strengths coach, Escritor, Espiritualista e empreendedor. Membro do Conselho do The Institute for Exoconsciousness (EUA). Meio hippie, meio bruxo, meio doido. Pai do Lorenzo e fundador do Círculo. Bacharel em Marketing, expert em estratégia militar, licenciando em filosofia. Empreendedor inquieto pela própria natureza. Seu fluxo é a realização!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.