Asfixia

“Quanto mais aprendemos sobre ciência, mais percebemos que seus maravilhosos mistérios são todos explicados por umas poucas leis simples tão interligadas e tão dependentes umas das outras, que vemos a mesma mente animando todas elas. (Olympia Brown, 1835-1900)

(…)

A asfixia é um estado químico e fisiológico que resulta da incapacidade de se obter o oxigênio adequado para o metabolismo das células e para eliminar o excesso de dióxido de carbono.

(…)

Hynek tentou confirmar as alegações de LeBec com uma observação que ele fez enquanto servia no exército austro-germânico na Primeira Guerra Mundial. Hynek testemunhou o enforcamento de soldados condenados pendurados pelos pulsos com seus pés pouco acima do chão. Os tinham que se erguer para expelir o ar dos pulmões. Depois de um curto período, ocorreram violentas contrações de todos os músculos, causando severos espasmos. O indivíduo torturado tinha extrema dificuldade para expirar, causando a asfixia. Isso durava cerca de dez minutos, e depois ele era retirado da forca. Barbet reforçou as observações de Hynek com o depoimento de dois prisioneiros do campo de concentração de Dachau, que também testemunharam o enforcamento de um condenado de modo similar. Os prisioneiros recordaram que o condenado tinha dificuldade para respirar e continuamente erguia o corpo num esforço para tomar fôlego, até que ficou muito exausto e morreu por asfixia.

Ambas as observações são muito interessantes, mas somente seriam válidas quando aplicadas a indivíduos cujos braços estão suspensos diretamente acima da cabeça e as pernas pendendo livres. Além do mais, isso não é aplicável de forma alguma à suspensão na cruz; seria como comparar maçãs com laranjas.

(…)

O padrão de bifurcação do ferimento do pulso não se deve ao fato de inclinar e retesar o corpo, como foi presumido por Barbet, porque experiências revelam que o ângulo do pulso não muda quando o corpo é retesado. (…) Além disso, se os pulsos tivessem sido mesmo pregados, particularmente com um prego quadrado, eles estariam firmemente fixados, impedindo qualquer mudança no ângulo.

É possível que, quando o prego foi removido do pulso de Jesus, um coágulo ou sangue seco foi perturbado, fazendo com que o sangue escorresse durante a remoção da cruz. 

(…)

O ato de quebrar as pernas, chamado skelokopia ou crurifragium, foi o argumento final a priori de Barbet para apoiar sua teoria de que Jesus teria morrido por asfixia. De acordo com Barbet, se as pernas estivessem quebradas, o crucarius estaria impossibilitado de se erguer para respirar. O ritual do crucifagium  era comumente executado quando a vítima se encontrava a beira da morte, como uma espécie de golpe de misericórdia para apressar o processo causando um severo choque traumático e hemorrágico. (…) Uma única fratura em um osso femoral (o osso da coxa), pode resultar na perda de dois litros de sangue, e mais de quatro litros serão perdidos se os dois ossos femorais forem fraturados. A quebra das pernas causaria uma grave hipovolemia, acrescida à perda de sangue e de fluidos corporais por causa do açoitamento, da hematidrose e do suor excessivo, além da perfuração dos pés e mãos, do tempo na cruz etc. Em alguns casos, uma volumosa embolia pode ocorrer, resultando em morte rápida. Como o crucarius já se encontrava em severa condição de a fraqueza por causa do choque, a acentuada hemorragia resultante da fratura dos ossos das pernas e a violenta dor iriam aprofundar o nível do choque traumático e hipovolêmico, com consequente queda na pressão sanguínea e rápido congestionamento nas extremidades inferiores, resultando em perda da consciência, coma e morte. (…) O crurifragium tinha uma segunda função – prevenir que a vitima se arrastasse depois da remoção da cruz se ainda estivesse viva e, assim, evitar que fosse devorada por animais selvagens.

(…)

É interessante notar, do ponto de vista da patologia forense, que em um caso de crucificação real, os pés e mãos estariam extremamente inchados e doloridos pelo fato de estarem pregados à estaca e à barra horizontal, respectivamente, ambos piorando com o tempo. Qualquer pressão feita contra os pregos nos pés seria completamente intolerável.

É interessante notar que o professor Baima Bollone repudiou a hipótese de asfixia com base no fato de que Jesus não poderia falar se Ele estivesse com falta de oxigênio, e é sabido que Ele fez isso várias vezes enquanto esteve na cruz.

(…)

1) Os resultados desses estudos desmentem esmagadoramente a teoria da asfixia como causa da morte.

2) Não existe dificuldade para respirar na posição da cruz.

3) A posição dos voluntários na cruz foi completamente compatível com os critérios postulados por Barbet.

4)  Os testes de oximetria auricular, gases do sangue e testes respiratórios complementares mostram evidências de que o nível de oxigênio permaneceu normal ou aumentou.”

ZUGIBE, M.D, Ph.D. Frederick T.  A Crucificação de Jesus: As Conclusões surpreendentes sobre a morte de Cristo na visão de um investigador criminal. São Paulo: MATRIX, 2008, pág. 131-155.

Publicado por

Juliano Pozati

Strengths coach, Escritor, Espiritualista e empreendedor. Membro do Conselho do The Institute for Exoconsciousness (EUA). Meio hippie, meio bruxo, meio doido. Pai do Lorenzo e fundador do Círculo. Bacharel em Marketing, expert em estratégia militar, licenciando em filosofia. Empreendedor inquieto pela própria natureza. Seu fluxo é a realização!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.