Lembre-se da minha cruz e da minha morte

“Se você considerar quanto tempo o mundo existiu antes de você e por quanto tempo existirá depois de você, verá que sua vida é apenas um dia e seus sofrimentos apenas uma hora. O bom não vai entrar no mundo. Desdenhe a morte, então, e se preocupe com a vida. Lembre-se da minha cruz e da minha morte, e você viverá.

Torne-se melhor do que eu. Seja como um filho do Espírito Santo.”

Nascimento, Peterson do. O Evangelho Secreto de Tiago
(Coleção Apócrifos do Cristianismo Livro VI) – Versão Kindle, Posição 484-493.

Sensação anárquica

“Schroeter descreve a liberdade para a morte como uma sensação anárquica: “Não tenho medo da morte. Talvez seja arrogante dizer, mas é a verdade. Encarar a morte com serenidade é uma sensação anárquica que constitui um perigo para a sociedade existente”

HAN, Byung-Chul.O desaparecimento dos rituais: Uma topologia do presente. Ed. Vozes, 2021, Local 761.

Jogo de Vida e Morte

Banir a negatividade da vida

“Nos tempos atuais, que se esforçam para banir a negatividade da vida, também a morte emudece. Ela não fala mais. Toma-se dela toda linguagem. Ela não é mais “uma maneira de ser”, mas apenas o mero fim da vida, que deve ser adiado com todos os meios. A morte significa, simplesmente, a des-produção [Ent-Produktion], o fim da produção. Hoje, a produção se totalizou como a única forma de vida. A histeria da saúde é, em última instância, a histeria da produção. Ela destrói, porém, a vivacidade real.”

HAN, Byung-Chul.A expulsão do outro: Sociedade, percepção e comunicação hoje. Ed. Vozes, 2022, Local 475.

Angústia

Angústia em Heidegger

“A angústia tem, em Heidegger, uma relação estreita com a morte. A morte não significa o mero fim do ser, mas “uma maneira de ser”, a saber, a possibilidade extraordinária de ser si mesmo. Morrer significa: “‘Eu sou’; ou seja, eu serei meu eu mais próprio”. Em vista da morte, desperta uma “decisividade silenciosa, que exige a angústia”, para o ser-si-mesmo verdadeiramente autêntico [eigentlich]. A morte é minha morte.”

HAN, Byung-Chul.A expulsão do outro: Sociedade, percepção e comunicação hoje. Ed. Vozes, 2022, Local 462.

Angústia

A morte é destruição

“Pois a morte não é nenhuma delas, mas é uma designação de apelação de imortal (athanatos), sendo chamada morte (thanatos) em vez de imortal (athanatos) por causa da carência da primeira letra ou por bobagem qualquer. Pois a morte é destruição; porém, nenhum desses seres no mundo é destruído.”

TRISMEGISTOS, Hermes. Corpus Hermeticum graecum, São Paulo:Ed. Cultrix, 2023, Pág. 169.

Parte II- Corpus Hermeticum Graecum.

Lilellus VIII

Francisco saiu do cárcere do corpo

“No ano de 1226 da Encarnação do Senhor, na indicação XIV, domingo, dia 4 de outubro, em Assis, sua terra, e na Porciúncula, onde fundara a Ordem dos Frades Menores, tendo completado vinte anos de perfeita adesão a Cristo e de seguimento da vida apostólica, nosso bem-aventurado pai Francisco saiu do cárcere do corpo e voou todo feliz para as habitações dos espíritos celestiais, terminando com perfeição o que tinha empreendido.”

Frei Tomás de Celano. Primeira Vida: Vida de São Francisco de Assis Escrita em 1228 D.C, Ed. Família Católica,2018, Local: 1245.

SEGUNDO LIVRO

Capítulo 1- Teor desta parte. Morte ditosa do Santo Seu exemplo de perfeição.

Por que a Visão Ortodoxa do Martírio Prevaleceu?

Por que a visão ortodoxa-do martírio- e da morte de Cristo como modelo – prevaleceu? Eu sugiro que a perseguição impulsionou a formção de uma estrutura eclesiástica organizada, que se desenvolveu no final do século II. Para posicioná-la em um contexto contemporâneo, consideremos qual é o recurso que resta para dissidentes confrontados com um sistema político forte e poderoso: divulgar casos de violência e injustiça para angariar o apoio público mundial.

(…)

Pressionados pelo perigo comum, membros de grupos dispersos no mundo inteiro cada vez mais trocavam cartas e visitavam diversas igrejas. Relatos desses mártires, em geral obtidos nos registros de seus julgamentos e em depoimentos de testemunhas, circulavam entre as igrejas na Ásia, África, Roma, Grécia, Gália e Egito. Por meio dessa comunicação, membros das igrejas mais antigas e diversificadas conscientizavam-se das diferenças regionais como obstáculos pleitear a participação em uma igreja católica. Como já mencionado, Irineu insistia em que as igrejas no mundo inteiro deveriam concordar com todos os pontos vitais da doutrina, mas ficou chocado quando Vitor, bispo de Roma, tentou dar mais uniformidade às igrejas regionais. Em 190, Vitor pediu aos cristãos na Ásia Menor para abandonarem sua prática tradicional de celebrar a Páscoa e, cm vez disso, agirem segundo o costume romano – ou então teriam de desistir de seu pleito de serem “cristãos católicos”. Ao mesmo tempo, a igreja romana estava compilando a lista definitiva de livros eventualmente aceitos por todas as igrejas cristãs. Ordens estratificadas crescentes de hierarquia institucional consolidaram as comunidades internamente e regularizaram a comunicação entre, como Irineu chamava, “a Igreja católica dispersa no mundo inteiro, até mesmo nos confins do mundo” uma rede de grupos tornando-se cada vez mais uniformes em doutrina, ritual, cânones e estrutura política.”

PAGELS, Elaine. Os Evangelhos Gnósticos. Editora Objetiva, 1979, pág. 112.

Capítulo: 4- A Paixão de Cristo e a Perseguição aos Cristãos.

Posicionamento dos Gnósticos Sobre o Martírio

“Que posicionamentos os gnósticos assumiram diante do martírio, e em que bases? Os textos de Nag Hammadi mostram que suas opiniões divergiam muitíssimo. Alguns o defendiam; outros o repudiavam por princípio. Seguidores de Valentino tinham uma posição mediadora entre os dois extremos. Mas um fato é claro: em cada caso, a atitude em relação ao martírio correspondia à interpretação do sofrimento e da morte de Cristo.

(…) enquanto alguns gnósticos afirmam a crença na paixão de Cristo e expressam entusiasmo pelo martírio, outros negam essa realidade e criticam esse entusiasmo. O Testemunho da Verdade declara que os entusiastas do martírio não sabem “quem é Cristo”.

(…) o martírio assegura a salvação: se fosse assim tão simples, diz, qualquer pessoa confessaria sua fé em Cristo e seria salva! Aqueles que vivem com essas ilusões

…são mártires [vazios], já que testemunham só [a] si mesmos. (…) Quando são “aperfeiçoados” em virtude da morte sob (martírio), eles pensam: “Se nos entregamos à morte pelo bem do Nome, seremos salvos.” Essas questões não se sucedem dessa forma. (…) Eles não têm a Palavra que oferece [vida].”

Esse autor gnóstico critica pontos de vista específicos do martirio familiares às fontes ortodoxas. Primeiro, censura a convicção de que a morte sob martírio oferece perdão para os pecados, uma visão expressa, por exemplo, no relato ortodoxo do martírio de Policarpo “Ao sofrer durante uma hora ele obteve a vida eterna.” Tertuliano também declarou que desejava sofrer “para obter total perdão de Deus, so dar em troca seu sangue”. Segundo, o autor ridiculariza os teólogos ortodoxos que, como Inácio e Tertuliano, concebem o martírio como uma oferenda a Deus e pensam que Deus deseja o “sacrificio humano”: essa crença converte Deus em um canibal. Terceiro, ataca aqueles que acreditam que o martírio assegura a ressurreição. Rústico, o juiz romano perguntou a Justino poucos momentos antes de ordenar sua execução: “Ouça, você é considerado um homem culto (…) você supõe que ascenderá ao céu?” Justino respondeu: “Eu não suponho, ao contrário, tenho certeza e estou completamente persuadido disso.” Mas o Testemunho da Verdade assinala que esses cristãos estavam apenas “destruindo-se” enganavam-se ao pensar que Cristo compartilhava a mortalidade deles, quando, na verdade, em razão de seu poder divino, era imune ao sofrimento e à morte:

O Filho do Homem [é] um ser imortal, [sendo] imune à transitoriedade. (…) ele desceu ao mundo dos mortos e realizou feitos poderosos. Ressuscitou os mortos (…) e também eliminou suas deficiências humanas e, assim, o manco, o paralítico e o mudo, (e) o possuído pelo demônio ficaram curados. (…) Por essa razão ele [destruiu] sua carne na [cruz] de onde [pendia]. *(Testemunho da Verdade 30.18-20; 32.22-33.11, em NHL 408)

PAGELS, Elaine. Os Evangelhos Gnósticos. Editora Objetiva, 1979, pág. 102-105.

Capítulo: 4- A Paixão de Cristo e a Perseguição aos Cristãos.

Como Morreram os Apóstolos

“De acordo com a tradição, a vida de vários dos primeiros discípulos de Jesus terminou em violenta perseguição: Mateus foi assassinado com uma espada na Etiópia; Marcos foi arrastado até morrer pelas ruas de Alexandria; Lucas foi enforcado na Grécia; João foi lançado a um caldeirão de óleo fervente, mas escapou milagrosamente, sendo então exilado em Patmos, onde teve morte natural; Pedro foi crucificado em Roma, com a cabeça para baixo; Tiago Maior foi decapitado em Jerusalém; Tiago Menor foi lançado de um pináculo do Templo e então o surraram até morrer; Bartolomeu foi esfolado vivo; André foi preso a uma cruz e morreu pregando a seus perseguidores; Tomé teve o corpo trespassado por uma lança; Matias foi primeiramente apedrejado e a seguir decapitado; Judas (Tadeu) foi varado por flechas até morrer; Barnabé dos Gentios foi apedrejado até a morte em Salônica; Paulo, depois de várias perseguições e torturas, foi decapitado em Roma; as informações sobre a morte de Filipe e de Simão Cananita são obscuras e conflitantes; Judas Iscariotes se enforcou.”

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol. III. Editora Self, 2017, pág. 214.

Capítulo 67.

O Pensamento é Ação em Si

“Tendo falado de modo geral das leis eternas que governam a criação de Deus e de como sua observância é necessária para que se alcance o reino dos céus, Jesus ilustra (nos versículos 21 a 48) adaptações específicas – maneiras de cumprir o espírito de justiça natural dessas leis.

Os homicidas não apenas se contrapõem à lei universal da criação divina, mas privam suas vítimas da legítima oportunidade de esgotar independentemente seu próprio karma – impossibilitando o progresso desses indivíduos em sua existência atual.

Jesus assinalou que, à luz da justiça natural, o mal reside não apenas em atos homicidas, mas também em pensamentos e emoções de ira que dão origem a esses atos.

(…)

A ira, quer se origine de uma causa real ou de uma percepção imaginária, pode provocar uma pessoa a ponto de impeli-la à violência. Em casos de ira extrema, as pessoas podem mentalmente desejar a morte de seus inimigos.

Desse modo, a fim de cumprir a lei “Não matarás”, Jesus disse que não apenas o ato, mas também todos os pensamentos, as palavras e ações relacionados com o fato de matar devem ser estrita mente evitados.

(…)

O pensamento, precursor da ação, é em si mesmo uma ação num plano mais sutil.”

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol. I. Editora Self, 2017, pág. 510-512.

Capítulo 27: Cumprir da Lei. O Sermão da Montanha, Parte II.