Afago

Diário Espiritual de 05 de novembro de 2018

Eu e a Pri nos desentendemos logo na sua chegada. Fiquei muito triste pela forma como ela me tratou e me senti mal.

A noite, pedi licença ao General, pois tudo o que queria era me imaginar nos braços de uma mãe negra, gorda e acolhedora, ser afagado, ter minhas feridas de alma cuidadas. Imaginei Deus como em A Cabana, alí repousei minhas tristezas e me deixei por ele ser acolhido. Assim o fiz e foi bom.

Publicado por

Juliano Pozati

Strengths coach, Escritor, Espiritualista e empreendedor. Membro do Conselho do The Institute for Exoconsciousness (EUA). Meio hippie, meio bruxo, meio doido. Pai do Lorenzo e fundador do Círculo. Bacharel em Marketing, expert em estratégia militar, licenciando em filosofia. Empreendedor inquieto pela própria natureza. Seu fluxo é a realização!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.