Operação das Naves

“(…) Essa energia , fluindo através certos dispositivos, que oportunamente você poderá conhecer, impulsiona a nave criando campos externos, repulsivos, que vão promovendo a formação de vácuo à sua frente, ou melhor, ao seu redor, dentro do qual ela se movimenta livre, sem qualquer atrito, segundo o conceito de vocês. Por outro lado, dominada a gravitação operante em nosso meio ambiente, pelo intercâmbio de mútua transformação dos campos hipergravitacional e hipermagnético, controlada a polaridade, a nave se desloca absolutamente desimpedida e liberada até de quaisquer influências da inércia, praticamente ausente no hiperespaço, onde também se reformula, em consequência da sua própria natureza, o conceito de massa. É evidente que tudo isso se modifica novamente, quando, por intermédio da criação de campos interferenciais, se processa a descida dimensional, quando então somos observados tão bem e até muito claramente pelos humanos, no espaço em que se situam.”

UCHÔA, Alfredo Moacyr. Mergulho no Hiperespaço. Dimensões Esotéricas na Pesquisa dos Discos Voadores. Brasília, 1976, pág.115-116.

Publicado por

Juliano Pozati

Strengths coach, Escritor, Espiritualista e empreendedor. Membro do Conselho do The Institute for Exoconsciousness (EUA). Meio hippie, meio bruxo, meio doido. Pai do Lorenzo e fundador do Círculo. Bacharel em Marketing, expert em estratégia militar, licenciando em filosofia. Empreendedor inquieto pela própria natureza. Seu fluxo é a realização!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.