Causas da Morte Rápida

“A) CAUSAS PREPARATÓRIAS

Jesus, com efeito, não tivera senão cerca de três horas de agonia, o que é, realmente, muito pouco para um crucificado. Os ladrões sobreviveram e só vieram a morrer logo depois, porque, ao lhes quebrarem as pernas, lhes aceleraram a asfixia. Tinham os judeus pedido isso a Pilatos, por quererem enterrar os três corpos antes do anoitecer. A lei judaica mandava que os crucificados fossem retirados da cruz e sepultados no mesmo dia. A isto acrescia que era véspera do sábado e, mais ainda, véspera da grande festa de Páscoa. Era a “paraskeue”.

(…) Não era raro, segundo Orígenes, vê-los sobreviver toda a noite e o dia seguinte.

(…)

Ele próprio dissera a seus apóstolos: “Minha alma esta até a morte”, expressão semita para designar uma “tristeza mortal”. Esta grave perturbação pode acarretar um fenômeno conhecido em medicina, do qual São Lucas, como médico, dá uma descrição perfeitamente clínica e surpreendente em sua brevidade. O fenômeno, aliás é a raro, é provocado por um grande abalo moral, seguido de profunda emoção e de grande medo.

(…)

Depois continua Lucas: (…) e, entrando em agonia, orava com mais instância. E o suor tornou-se como que gotas de sangue caindo até o solo” (Le 22.24). O texto grego, porém diz com mais exatidão: “Egéneto ho hidrós autou hosei thromboi haímatos katabaínontes epi en gen’. Ora, trombos” quer dizer “coágulo”.

O fenômeno, que em linguagem técnica chamamos “hematidrose, consiste em intensa vasodilatação dos capilares subcutâneos. Distendidos ao extremo, rompem-se em contato com milhões de glândulas sudoríparas espalhadas por toda a pele. Essa mesma vasodilatação provoca intensa secreção das glândulas sudoríparas. O sangue se mistura com o suor, e esta mescla poreja por toda a superfície do corpo. Mas, uma vez em contato com o ar, o sangue se coagula. Os coágulos assim formados sobre a pele caem por terra, levados pelo abundante suor. Pôde então escrever São Lucas, como bom médico e bom observador: “E seu suor tornou-se como que coágulos (não gotas) de sangue que caíam até o solo”.

Deste fenômeno podemos tirar logo duas consequências. A primeira é ter havido considerável diminuição da resistência vital após esta hemorragia, que é grave, dada a extensão da superfície em que se produz. Depois, assinalaremos como segunda consequência o estado anormal em que ficou a pele por ter sangrado na intimidade de suas glândulas sudoríparas, em toda a superfície do corpo. Ficou assim mais sensível, dolorida e, portanto, menos apta a suportar as violências e os golpes que iriam atingi-la na noite e no dia seguinte, até culminar com a flagelação e crucifixão.

(…)

Na mesma série de causas de enfraquecimento, devemos enumerar também as sevícias suportadas durante a noite, sobretudo entre os dois interrogatórios, durante os quais foi ele a presa e o escárnio de uma turba infame de criados do templo, “estes cães sanguinários”, como os chama são João Crisóstomo. Ainda devemos acrescentar os golpes recebidos no pretório, após a flagelação e a coroação de espinhos; tapas, socos e até pauladas, porque a palavra que São Jerônimo traduz por “alapas” (= tapas), significa também e, fundamentalmente, “golpes desferidos com um bastão ou pedaço de pau”.

(…)

Encontramos o vestígio dessas sevícias na Santa Mortalha, em uma grande contusão da face direita e uma fratura da borda cartilaginosa do nariz. Mas todas essas pancadas, desferidas principalmente sobre a cabeça, podiam ter produzido também um abalo, talvez grave, aquilo que chamamos de comoção ou ainda contusão cerebral, que se caracteriza pela ruptura mais ou menos extensa de pequenos vasos nas meninges e cérebro.

(…) pelos traumatismos que vamos encontrar no Santo Sudário, foi sobretudo a selvagem flagelação e a coroação de espinhos suportada no pretório de Pilatos, no “Lithróstotos”, que devem ter provocado a perda de sangue mais grave.

B) CAUSA DETERMINANTE

(…) Os crucificados morriam todos asfixiados. 

(…) a fixação dos braços levantados, portanto em posição de inspiração, acarreta relativa imobilidade das costelas e grande incômodo na respiração; o crucificado tem a impressão de sufocamento progressivo. (…) O coração deverá trabalhar mais, suas pulsações se precipitam e enfraquecem. Segue-se uma certa estagnação nos vasos de todo o corpo. E “como, por outro lado, a oxigenação se faz mal nos pulmões que funcionam insuficientemente, a sobrecarga de ácido carbônico provoca excitação das fibras musculares e, como consequência, uma espécie de estado tetânico de todo o corpo“.

(…)

A recordação de um suplício, ou de grave punição, como se quiser chamar, em uso no exército austro-alemão para o qual fora recrutado como tcheco, na guerra de 1914-1918. Este castigo que denomina “aufbinden”, e que os nazistas tiveram o cuidado de não esquecer, consiste em suspender, pelas mãos, o condenado, a um pelourinho. Seus pés apenas tocam o solo com as pontas dos dedos. Todo o peso do corpo, e isto é importante, fica apoiado nas duas mãos fixadas no alto. Vê-se, em pouco tempo, surgir contrações violentas em todos os músculos, que terminam em um estado permanente de contratura, de rigidez em contração, destes músculos. É o que se chama, vulgarmente, de cãibra. Todos sabem quanto são dolorosas e que não se pode aliviá-las a não ser puxando o membro no sentido oposto aos dos músculos contraídos.

Começam estas cãibras nos antebraços, passam para os braços, estendendo-se aos membros inferiores e ao tronco. Muito rapidamente os grandes músculos que produzem a inspiração, grandes peitorais, esternocleido-mastoideos e diafragma são também tornados. Daí resulta que os pulmões se enchem de ar, mas não conseguem fazê-lo sair. Os músculos expiradores, também eles contraídos, são mais fracos que os inspiradores (a expiração se faz ordinariamente e sem es forço muscular, pela elasticidade dos pulmões e da caixa torácica).

Estando assim os pulmões em inspiração forçada e não podendo esvaziar-se, segue-se que a oxigenação normal do sangue que neles circula não mais se pode fazer e que a asfixia se apodera do paciente, da mesma forma como se fosse estrangulado. Fica no estado de um enfisematoso em plena crise de asma. (…)

Notemos que, além disso, a falta de oxigenação do sangue pulmonar acarreta, nos músculos, onde continua a circular, uma asfixia local com consequente acumulação de ácido carbônico (segundo a exata observação de Le Bec), que, por uma espécie de círculo vicioso, aumenta progressivamente a tetanização destes mesmos músculos.

(…) A simples punição não podia, segundo o testemunho de Hynek, durar mais do que dez minutos, Mais tarde, nos campos de concentração nazistas, prolongaram-na até o assassinato.

(…)

Resulta deste testemunho, como também da observação, a Deus, menos prolongada de Hynek, que a suspensão pelas mis acarreta asfixia com contrações generalizadas, de acordo com as previsões de Le Bec. Os crucificados, pois, morriam todos de asfixia, após longo período de luta.

(…)

Depois da crucifixão, o corpo se abaixava e descia notavelmente, como o veremos, ao mesmo tempo que os joelhos se dobravam mais. O paciente podia então tomar ponto de apoio nos pés fixados à haste vertical da cruz, soerguer todo o corpo e reconduzir para a horizontal os braços que, em virtude do abaixamento, tinham um ângulo de 65° com a horizontal. Muito reduzida, desta forma, a tração sobre as mãos, diminuíam as cãibras e, momentaneamente, de saparecia a asfixia pela restituição dos movimentos respiratórios… Depois, sobrevindo a fadiga dos membros inferiores, era o crucifica do obrigado a ceder e a asfixia voltava de novo. Toda a agonia se passava na alternância de abatimentos e soerguimentos, de asfixia e de respiração. Disso temos a prova material no Santo Sudário, onde podemos assinalar um duplo fluxo de sangue vertical que sai da chaga da mão, com um afastamento angular de alguns graus. Um corresponde à posição de abaixamento, e o outro, à de soerguimento Dez (cf. fig. 20, adiante).

Percebe-se logo que um indivíduo esgotado como estava Jesus não haveria de poder prolongar essa luta por muito tempo. Por outro lado, quando julgasse, em sua suprema sabedoria, que chegara o momento de morrer, que “tudo estava consumado”, podê-lo-ia fazer com a máxima facilidade, interrompendo a luta.

(…) dispunham os carrascos de meio seguro para provocar morte quase instantânea nos crucificados: quebrar-lhes as pernas. Este processo, aliás muito usado em Roma, era bem conhecido. (…) Foi este “crurifragium” que os judeus, preocupados em fazer desaparecer os corpos antes do pôr do sol, foram pedir a Pilatos.

(…)

Os supliciados não podiam resistir à asfixia a não ser erguendo-se sobre os pés. Se lhes forem quebradas as pernas, ficarão absolutamente impossibilitados de se erguer. Então a asfixia os tomará completa e definitivamente, e a morte sobrevirá em espaço muito curto.

(…)

(…) a tetanização e a asfixia, indubitáveis para um médico, provam que as impressões do Sudário estão de acordo com a realidade: esse corpo morreu como um corpo crucificado.

Ali vemos, com efeito, os dois grandes peitorais, os mais poderosos músculos inspiradores, em contração forçada, dilatados e repuxados em direção das clavículas e braços. Toda a caixa torácica está muito distendida em inspiração máxima. A cavidade epigástrica (vulgarmente conhecida como boca do estômago) está retraída por esta elevação e distensão para a frente e para fora do tórax, e não pela contração do diafragma, como escreve Hynek.(…) Essa distensão e elevação força da das costelas não pode deixar de realçar a massa abdominal; é por isso que se vê, por cima das mãos cruzadas, sobressair o hipogástrio, o baixo ventre.

(…)

Os longos fluxos de sangue, que descem dos carpos aos cotovelos, parecem seguir os sulcos bem-marcados que separam os músculos extensores das mãos, em antebraços contraídos. As coxas mostram fortes saliências musculares que, em um corpo aliás perfeita mente desenhado, evocam também a contração tetânica.

Na face posterior, a coluna cervical parece bastante inclinada para a frente, contrariando sua curvatura normal, o que quadra coma imagem anterior.

(…)

Eis, pois, a meu ver, claramente elucidadas, sob o ângulo de visão humano, científico (pobre ciência que não passa de uma ignorância disfarçada!), as causas da morte de Jesus: a) Causas predisponentes que são múltiplas e o levaram fisicamente diminuído, e esgotado, ao mais terrível suplício que já conseguiu inventar a malícia dos homens; b) uma causa determinante, final, imediata: a asfixia, que causava infalivelmente a morte.”

BARBET, Pierre. A Paixão de Cristo, segundo o cirurgião. São Paulo: Edições Loyola, 2014, pág. 81-95.

 

Publicado por

Juliano Pozati

Strengths coach, Escritor, Espiritualista e empreendedor. Membro do Conselho do The Institute for Exoconsciousness (EUA). Meio hippie, meio bruxo, meio doido. Pai do Lorenzo e fundador do Círculo. Bacharel em Marketing, expert em estratégia militar, licenciando em filosofia. Empreendedor inquieto pela própria natureza. Seu fluxo é a realização!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.