O Amor do Cristo

Diário Espiritual de 29 de agosto de 2018

“O amor do Cristo é melodia suave que encontra na acústica da nossa alma o perfeito instrumento de reverberação da cósmica canção. Deixar-se amar é fortalecer a natureza plenificada de si mesmo. Não ama aquele que não se deixa amar primeiro.

Há constantemente em vós ajustes e afinamentos que devem ser feitos no intuito de reproduzir com perfeição a canção do amor. Nós não amamos ou amamos ainda de forma imperfeita. Daí a problemática do mal nas relações humanas.

Que podemos te pedir, se a função inicial do amor em sua jornada tem te feito perceber as próprias limitações? Abra-se ao amor, encontre o amor do Cristo nas emanações, também imperfeitas, dos companheiros. Descubra o todo na parte, e pela parte, o todo do amor cósmico, universal, que a tudo permeia e em todos reverbera.

O amor é calmo, dorme tranquilo enquanto o barco se agita à tempestade impiedosa. Agitar-se no barco em meio ao agito da tempestade é adicionar perturbação ao que já está perturbado. O amor é calmo, contrasta e vence a perturbação pela paz inabalável.”

Heitor

_____________________

(Comentando meus pensamentos e contemplações sobre Jesus)

“Meu filho, você não imagina como é estar na presença dele. Não há tempo, linguagem, fonética ou pensamento suficientes para descrever o arroubo espiritual que vivemos diante dele.”

General

Publicado por

Juliano Pozati

Strengths coach, Escritor, Espiritualista e empreendedor. Membro do Conselho do The Institute for Exoconsciousness (EUA). Meio hippie, meio bruxo, meio doido. Pai do Lorenzo e fundador do Círculo. Bacharel em Marketing, expert em estratégia militar, licenciando em filosofia. Empreendedor inquieto pela própria natureza. Seu fluxo é a realização!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.