Cooperação

Mais e mais, os caminhos da vida pedirão parceria e cooperação, pois todos trabalhamos sob o mesmo ideal. Colaborar para o desenvolvimento e realização do potencial de cada um não é sobrepor o seu protagonismo. O executor exacerbado, por vezes, rouba do outro a oportunidade de provar  e realizar seu valor e dignidade.

Desenvolva em si, com os novos estudos, a arte de inspirar o melhor de cada um em movimento e transformação. Eis a sabedoria.

Olívia

Senioridade e Sabedoria

Meu querido, as tais tramas da vida ainda nos são necessárias para o aperfeiçoamento de nossas virtudes e caráter. Não há encarnação sobre a Terra que delas não precise ou as possa dispensar. Saiba, contudo, que em todas as suas provas, estamos aqui. Certos atritos ainda serão inevitáveis, pelo que vejo, mas que a sua consciência seja fiel aos valores nos quais acredita e defende.

“Fareis passar pela porta que tiverdes passado” foi o que nosso General te disse. Considera que os sentimentos que agora te habitam são parte da experiência necessária para conhecer o sabor deste momento e poder oferecer, em futuro breve, a mão solidária a quem te procurar. O mercado chama isso de senioridade. Nós chamamos sabedoria: o conhecimento integrado ao ser por suas experiências de vida.

A diferença de senioridade é que as experiências do mercado nem sempre fazem dos seres humanos seres melhores, senão apenas mais hábeis no trato diário de suas tarefas corporativas. A sabedoria, ao contrário, harmoniza a experiência de vida do ser com o sentido das leis universais e o ancora de forma concreta no centro do mundo subjetivo, espiritual. O ser encontra o seu sentido para além dos fatos e assim age de acordo com o fluxo que percebe, compreende e vivencia todos os dias.

Age por amor, com amor e para o amor. Isso não significa que suas experiências serão mais fáceis, ou gerarão menos atrito. Mas que serão essenciais para o avanço benéfico de todas as coisas. Lembre-se sempre do nosso mestre com o chicote no templo. Não poderíamos fazer imagem melhor para ilustrar o que digo. O amor é firme, forte, coerente. O Amor é corajoso, não se acovarda diante dos tantos receios da vida. O amor é ação com sentido, fruto do pensamento que se eleva para o alto. É conhecimento, movimento e transformação.

Meu beijinho ao seu coração,
Encontre na calma interior a certeza de que tudo vai dar certo!

Olívia

Recusa do retorno

Terminada a busca do herói, por meio da penetração da ponte, ou por intermédio da graça de alguma personificação masculina ou feminina, humana ou animal, o aventureiro deve ainda retornar com o seu troféu transmutador da vida. O círculo completo, a norma do monomito, Requer que o herói iniciar agora o trabalho de trazer o símbolos da sabedoria, o Velocino de Ouro, ou a princesa adormecida, de volta o Reino humano, onde a benção alcançada pode servir a renovação da comunidade, da nação, do planeta ou dos 10.000 mundos.

Mas essa responsabilidade tem sido objeto de frequente recusa.

Campbell, Joseph. O herói de mil faces. Pensamento, São Paulo, 2007, p. 195.

Princípios da Crença Wiccana / Conselho dos Bruxos Americanos – 1974

  1. Nós praticamos ritos para nos sintonizar com os ritmos naturais das forças vitais, marcados pelas fases da Lua e pelas mudanças e pelos ápices das estações.
  2. Reconhecemos que nossa inteligência nos dá uma responsabilidade única com relação ao nosso meio ambiente. Procuramos viver em harmonia com a natureza, em equilíbrio ecológico, oferecendo condições à vida e a consciência segundo uma visão evolutiva.
  3. Reconhecemos a existência de um poder muito maior do que aquele que se manifesta na pessoa comum. Por sem bem maior que o normal, ele é às vezes chamado de “sobrenatural”, mas o vemos como uma parte natural do potencial de todos.
  4. Compreendemos que o Poder Criativo do Universo se manifesta por meio da polaridade – como masculino e feminino – e que esse mesmo Poder Criativo habita em todas as pessoas e age por meio da interação entre o masculino e o feminino. Não valorizamos um mais do que o outro, porque sabemos que se complementam. Valorizamos o sexo como prazer, como símbolo e corporificação da vida e uma das fontes de energia usada nas práticas mágicas e nos cultos religiosos.
  5. Reconhecemos a existência tanto dos mundos exteriores quanto dos interiores, ou psicológicos – às vezes conhecidos como Mundo Espiritual, Inconsciente Coletivo, Planos Interiores, etc – e vemos na interação dessas duas dimensões a base dos fenômenos paranormais e das práticas de magia. Não negligenciamos nenhuma das dimensões, pois ambas são necessárias para a nossa realização.
  6. Rejeitamos toda hierarquia autoritária, mas honramos aqueles que nos ensinam, respeitamos aqueles que compartilham seu conhecimento e sua sabedoria, e admiramos aqueles que corajosamente deram de si para exercer funções de liderança.
  7. Vemos a religião, a magia e a sabedoria de vida como uma unidade na forma pela qual uma pessoa vê o mundo e vive nele, uma visão do mundo e uma filosofia de vida que identificamos como Bruxaria – O Caminho Wiccano.
  8. Dizer-se Bruxo não faz de ninguém um Bruxo – tampouco a hereditariedade ou uma coleção de títulos, graus ou iniciações. O Bruxo busca controlar as forças de si mesmo que tornam a vida possível, de modo a viver com sabedoria e bem, sem prejudicar outras pessoas e em harmonia com a natureza.
  9. Acreditamos na afirmação e na plenitude da vida, numa contínua evolução e num contínuo desenvolvimento da consciência, dando sentido ao Universo que conhecemos e ao nosso papel dentro dele.
  10. Nossa animosidade com relação ao Cristianismo ou qualquer outra religião ou filosofia de vida só existe na medida em que essas instituições se proclamam “o único caminho”, negando a liberdade a outras entidades e reprimindo outras formas de crença e prática religiosa.
  11. Como Bruxos Americanos, nós não nos sentimos ameaçados por debates sobre a história da Arte, sobre as origens de vários termos, sobre a legitimidade de vários aspectos de diferentes tradições. Nós nos preocupamos com o nosso presente e com o nosso futuro.
  12. Não aceitamos o conceito de mal absoluto, nem adoramos a entidade conhecida como “Satanás” ou “Demônio”, como definido pela tradição cristã. Não buscamos o poder por meio do sofrimento de outros nem aceitamos o conceito segundo o qual benefícios pessoais só podem ser obtidos pela negação do outro.
  13. Acreditamos que devemos buscar na natureza o que pode contribuir para a nossa saúde o nosso bem-estar.

Buckland, Raymond. Livro completo de bruxaria de Raymond Buckland: tradição, rituais, crenças, história e prática. Editora Pensamento Cultrix, São Paulo, 2019, pp. 47-49.

Prece da Serenidade

A Prece da Serenidade, que sintetiza o movimento de recuperação – “Concedei-me a serenidade para acertar as coisas que eu não posso mudar, a coragem para mudar o que posso e a sabedoria para reconhecer a diferença” (…)

Epicteto. A arte de viver/ Epicteto; uma nova interpretação de Sharon Lebell. Sextante, Rio de Janeiro, 2018, p. 15.