Retribuir o Ódio com o Amor

“Os mortais comportam-se como mortais quando retribuem na mesma medida em que recebem; mas expressam sua inata divindade quando, a partir da pura magnanimidade de sua alma, retribuem o ódio com o amor e o mal com o bem.”

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol. I. Editora Self, 2017, pág. 533.

Capítulo 27: Cumprir da Lei. O Sermão da Montanha, Parte II.

Medida da Manifestação Divina

“Embora a luz da misericórdia divina brilhe do mesmo modo sobre bons e maus, e a chuva de Seus benéficos poderes se derrame similarmente sobre justos e injustos, isso não significa que os bons e os maus sejam capazes de refletir em igual medida a infinita graça de Deus. O carvão não pode refletir a mesma quantidade de luz solar que o diamante. De maneira semelhante, as mentalidades obscuras não refletem Deus assim como o fazem as mentalidades virtuosas.”

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol. I. Editora Self, 2017, pág. 532.

Capítulo 27: Cumprir da Lei. O Sermão da Montanha, Parte II.

Jogo de Forças Entre o Bem e o Mal

“Muito mais do que apenas um nobre ideal, o princípio do amor é, na verdade, a própria manifestação de Deus em Sua criação. O universo é preservado por um jogo de forças entre o bem e o mal. O efeito do mal, ou ilusão, é dividir, obscurecer e criar desarmonia. O amor é o poder de atração do Espírito que une e harmoniza.

(…)

Perceber Deus igualmente nos amigos e inimigos é um testemunho da própria realização espiritual.

(…)

Não é necessário conviver com os inimigos. Muitas vezes é preferível amá-los à distância, a menos que, mediante gestos de bondade no relacionamento, nosso amor possa efetuar uma transformação na quelas pessoas.

(…)

As ações falam mais alto do que as palavras. Foi por isso que Jesus disse: “Fazei bem aos que vos odeiam“.

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol. I. Editora Self, 2017, pág. 528-530.

Capítulo 27: Cumprir da Lei. O Sermão da Montanha, Parte II.

Vencer o Mal com o Amor

(…) uma advertência para dissuadir criminosos potenciais, fazendo com que o castigo fosse equivalente ao crime.

As leis espirituais são eternamente verdadeiras, mas sua aplicação – registrada nos critérios que governam uma sociedade – pode requerer, em diferentes regiões e épocas, adaptações maiores ou menores de acordo com a natureza do ambiente em que são decretadas.

(…)

(…) não resistir ao mal com os métodos do mal. Jesus aconselha o homem a vencer o mal com a virtude infinitamente poderosa do perdão e do amor.

(…)

O ódio aumenta com o ódio, assim como o fogo aumenta com o fogo; mas, tal como o fogo é extinto pela água, também a ira é subjugada pela benevolência.

(…)

O ideal de não fazer retaliações não justifica submeter-se passiva mente ao erro nem à aprovação tácita do mal. Oferecer a outra face não visa fazer com que a pessoa se torne mental ou moralmente fraca, nem sugere suportar um relacionamento pessoal abusivo ou violento, mas sim instilar a força do autocontrole alcançada pela superação do impulso de agir sob a influência de um sentimento de vingança. Retaliar é um reflexo fácil, mas é preciso ter grande força mental para não revidar o golpe. Somente uma pessoa com forte caráter espiritual e elevados princípios pode resistir ao mal com a virtude.

(…)

A pessoa que se aperfeiçoou na prática da não-violência não permite a ninguém roubar-lhe a paz interior.”

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol. I. Editora Self, 2017, pág. 523-524.

Capítulo 27: Cumprir da Lei. O Sermão da Montanha, Parte II.

O Pensamento é Ação em Si

“Tendo falado de modo geral das leis eternas que governam a criação de Deus e de como sua observância é necessária para que se alcance o reino dos céus, Jesus ilustra (nos versículos 21 a 48) adaptações específicas – maneiras de cumprir o espírito de justiça natural dessas leis.

Os homicidas não apenas se contrapõem à lei universal da criação divina, mas privam suas vítimas da legítima oportunidade de esgotar independentemente seu próprio karma – impossibilitando o progresso desses indivíduos em sua existência atual.

Jesus assinalou que, à luz da justiça natural, o mal reside não apenas em atos homicidas, mas também em pensamentos e emoções de ira que dão origem a esses atos.

(…)

A ira, quer se origine de uma causa real ou de uma percepção imaginária, pode provocar uma pessoa a ponto de impeli-la à violência. Em casos de ira extrema, as pessoas podem mentalmente desejar a morte de seus inimigos.

Desse modo, a fim de cumprir a lei “Não matarás”, Jesus disse que não apenas o ato, mas também todos os pensamentos, as palavras e ações relacionados com o fato de matar devem ser estrita mente evitados.

(…)

O pensamento, precursor da ação, é em si mesmo uma ação num plano mais sutil.”

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol. I. Editora Self, 2017, pág. 510-512.

Capítulo 27: Cumprir da Lei. O Sermão da Montanha, Parte II.

Consciência Crística

Quando me achava no estado de Consciência Crística onipre sente, contemplei a ilusão satânica como uma força cósmica consciente, uma energia criadora semelhante ao relâmpago, que era repe lida da Consciência Cósmica celestial. Eis que vos dou o poder divino mediante o qual podereis derrotar Satanás e seus sequazes; ao superar des a ilusão, nada poderá de modo algum causar-vos dano. Por meio de minha Consciência Cósmica, eu vos darei o poder de vontade que vos permitirá controlar a força serpentina espiralada na base da co luna vertebral. A força vital criadora que flui ao exterior, em direção ao corpo, alimenta os desejos sexuais e os “escorpiões” dos torturantes e venenosos instintos malignos.

(…)

Conforme explicado em versículos anteriores, Satã era originalmente um arcanjo, uma força inteligente da criadora energia cósmica de Deus, dotada com poder para criar, em harmonia com a Inteligência Divina, perfeitas manifestações celestiais na criação material. Essa força emanou de Maha Prakriti, a Grande Natureza, o Espírito Santo, o aspecto criador primordial do Espírito. O poder ativador da Mãe da Criação é maya, a ilusão cósmica, que transforma o Espírito Único em miríades de manifestações. Oculta por trás de um tênue véu de maya, a natureza pura de Prakriti, Para-Prakriti, atua em harmonia com a Inteligência Crística, ou Kutastha, para criar as leis e forças divinas que ativam todas as manifestações dos domínios celestiais astral e causal. Um manto mais denso de ilusão cósmica se fez necessário a fim de originar as vibrações densas indispensáveis para produzir e sustentar uma criação material a partir dessa subjacente matriz astral-causal. Uma vez que essas vibrações densas da ilusão cósmica distorcem e eclipsam a verdadeira natureza da matéria, que é feita da consciência de Deus, esse poder criador que flui em direção ao exterior é identificado como a natureza impura de Prakriti: Apara-Prakriti. Esse é o aspecto que equivale a Satã, o qual é representado como um arcanjo que decaiu da graça divina, uma força criadora que não é dirigida pelas vibrações celestiais – uma força que se rebelou contra a consciência de Deus, obscurecendo a Divindade Inata, com o objetivo de preservar seu próprio reinado sobre a humanidade por meio do autoperpetuado mau uso do livre-arbítrio.

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol II. Editora Self, 2017, pág. 257-259.

Capítulo 41: Conselhos de Jesus aos que pregan a palavra de Deus (Parte II).

A Arte de Expulsar Demônios

“A arte de expulsar demônios e de curar aqueles que estão espiritualmente enfermos com obsessões malignas foi em grande parte esquecida porque todas as religiões carecem de apóstolos sintonizados com Deus que conheçam as operações sutis das forças do bem e do mal no mundo.

(…)

Com sua perfeita integridade e conhecimento divino, Jesus não teria se referido a esses casos como possessão por maus espíritos se fossem, ao contrário, distúrbios psicológicos tais como a histeria ou a demência.”

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição de Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol. I. Editora Self, 2017, pág. 437-438.

Capítulo 24: A expulsão de demônios.

A natureza Dúplice de Satã

” A natureza dúplice de Satã – tanto subjetiva quanto objetiva – explica a totalidade das manifestações do mal. Um Sată objetivo, como uma força adversária independente opondo-se à Divindade, explica a origem do mal que não pode ser atribuído apenas à ignorância subjetiva individual ou coletiva do homem. Satã tem que ser reconhecido conjuntamente como o mal objetivo na natureza e como um poder capaz de também operar no homem em forma de consciência subjetiva errada.

Reconhecer a existência de Satã não nega o conceito de um Deus que é o único Alfa e Ômega do cosmos. Em realidade, não existe essencialmente nada mais que o Espírito, a Substância única (…) . O mal da ilusão existe somente no domínio das formas, não na essência do Espírito. Enquanto houver a criação, uma coalescência de fenômenos finitos na Substância Infinita, a ilusão das formas produzirá a consciência de imperfeição que se acha separada do Absoluto Inigualável.

(…)

É tolice negar o mal subjetivo ou objetivo enquanto ainda se está lutando com a ilusão. (…)  Basta alguém se sentir seguro de sua invulnerabilidade, e o diabo engana seu oponente com alguma artimanha, levando o desafiador à derrota. É melhor não competir com suas tentações.(…). Ao fortalecer-se a consciência do bem, sua luz dissipa as perigosas trevas da influência maléfica de Satã.”

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol. I. Editora Self, 2017, pág. 169-171.

Capítulo 7: O papel de Sată na criação de Deus.

Espírito Santo e Satã

“Esses dois aspectos de Prakriti correspondem às designações cristãs Espírito Santo e Satã. O Espírito Santo, em harmonia com a Consciência Cristíca, cria o bem e a beleza atrai toda a manifestação para uma simbiótica harmonia e derradeira união com Deus. Sată (do hebraico, literalmente “o adversário”) exerce sua força de repulsão para longe de Deus, para o envolvimento com o mundo ilusório da matéria, empregando a ilusão cósmica de maya para dispersar, confundir, cegar e aprisionar.

(…)

Uma vez que ele encobre a matéria e envolve o homem nas mais enganosas confusões da ilusão de maya, Jesus referiu-se a essa força como um demônio, um assassino e um mentiroso. “O diabo (…) foi homicida desde o princípio, e não se firmou na verdade, porque não há verdade nele; quando ele profere mentira, fala do que lhe é próprio, porque é mentiroso, e pai da mentira” (João 8:44).

Satã surgiu como uma consequência natural do desinteressado de sejo de Deus de dividir Seu Oceano da Unidade nas ondas da criação finita um poder com vontade independente, que viria a controlar as leis da criação material para manifestar e sustentar sua existência. O plano do Espírito era que essa Força Ilusória Cósmica consciente fosse dotada de independência a fim utilizar maya e avidya para criar objetos finitos que refletissem Deus a partir da energia vibratória cósmica do Espírito Santo, em harmoniosa sintonia com a divina Inteligência Crística presente nessa vibração.

Jazidas com pedras preciosas perfeitas, flores perfeitas, animais perfeitos e almas humanas residindo em planetas perfeitos foram en tão criados, trazidos à manifestação material desde os reinos celestiais astral e causal. (…)  Depois de uma existência harmoniosa – uma expressão perfeita de forma, hábitos saudáveis e modos de existência, no palco do tempo, sem sofrimento, doenças, acidentes cruéis ou dolorosa morte prematura-, todas as formas criadas de veriam retornar para Deus. Assim como os arco-íris vêm e vão (…)

Portanto, originalmente toda a Energia Cósmica, vibrada pelo Espírito Santo e pela Inteligência Crística, fluía em direção a Deus, criando imagens perfeitas a partir da luz astral voltada ao interior para revelar Deus. A Força Ilusória Cósmica consciente, com seu poder independente recebido de Deus, percebeu que sua própria existência separada cessaria se as manifestações da energia cósmica da Vibração do Espírito Santo se dissolvessem de volta no Espírito de acordo com o plano divino. Sem a Vibração Sagrada, não haveria razão nenhuma para a existência nem para o sustento da Força Ilusória Cósmica. Esse pensamento assustou Satã; o único propósito de sua existência – manter estas formas no estado de manifestação – estava ameaçado. Então, visando seu próprio intento de autoperpetuação, ele se rebelou contra Deus, tal como um general insubordinado algumas vezes se volta contra seu rei, e começou a utilizar mal seus poderes cósmicos. Ele manipulou as leis e os princípios da criação que estavam sob seu comando a fim de estabelecer padrões de imperfeição que impediriam sua dissolução automática no Espírito. Satã tornou-se como um raio caindo do céu porque afastou a luz da energia cósmica de seu foco em Deus, concentrando-a na matéria densa. A luz astral que revela o céu transformou-se nas opacas luminárias físicas do sol, do fogo e da eletricidade, que mostram somente as substâncias materiais.

(…) a mente das pessoas comuns, confortavelmente enclausurada na visão de causa e efeito dos fenômenos, não se adapta com facilidade a abstrações divinas a menos que também estas sejam metaforicamente revestidas com um aspecto familiar. (…) exceto no sentido absoluto de que tudo é feito da Consciência Cósmica única de Deus, não existe mal no Deus Todo-Perfeito. O mal reside na Força Adversária que man tém seu reino de influência ao obscurecer grosseiramente a verdadeira natureza divina de todos os seres criados. Um sofisma filosófico poderia convincentemente propor que, sendo o dever de Satã, como um arcanjo, manter a existência das formas manifestadas, ao tentar fazer seu serviço ele caiu do céu!”

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol. I. Editora Self, 2017, pág. 156-158.

Capítulo 7: O papel de Sată na criação de Deus.

O Mal na Vida do Ser Humano

“Nesse sentido, é certamente verdade que o mal na vida do ser humano é autoengendrado: se um homem golpeasse uma parede de pedras com seus punhos, o inegável resultado maléfico da dor não seria produzido ou desejado pela parede, mas a consequência da ignorância dele ao golpear a dureza naturalmente inflexível das pedras.

Igualmente, pode-se dizer que Deus é a parede de pedra da Bondade Eterna. Seu universo subsiste pela operação de leis justas e naturais. Todo aquele que seja suficientemente tolo para utilizar de modo impróprio sua inteligência, agindo contra essa bondade, produzirá inexoravelmente o mal da dor e do sofrimento não devido a qual quer intenção ou desejo de Deus, mas às formas perniciosas de vida colidindo com os eternos princípios do bem, subjacentes a todas as coisas em Deus.”

Nota: O aspecto de Deus que é ativo na criação; a shakti, ou poder, do Criador Transcendente. Neste contexto, a referência se faz ao aspecto pessoal de Deus que incorpora as qualidades maternais do amor e da compaixão. As escrituras hindus ensinam que Deus é tanto imanente quanto transcendente, pessoal e impessoal. Ele pode ser como o Absoluto Transcendente; mas, conforme enfatiza o Bhagavad Gita (XII:5): “Aqueles que têm o Não-manifestado como meta aumentam as dificuldades; árduo é o caminho do Absoluto para os seres encarnados”. Para a maioria dos devotos, é mais fácil procurar Deus como uma de Suas eternas qualidades manifestadas, tais como amor, sabedoria, bem-aventurança, luz; na forma de um ishta (deidade); ou como Pai, Mãe ou Amigo. Outras denominações para o aspecto materno da Divindade são Om, procurado Shakti, Espírito Santo, Vibração Cósmica Inteligente, Natureza ou Prakriti.

YOGANANDA, Paramahansa. A Segunda Vinda de Cristo, A Ressurreição do Cristo Interior. Comentário Revelador dos Ensinamentos Originais de Jesus. Vol. I. Editora Self, 2017, pág. 149-150.

Capítulo 7: O papel de Sată na criação de Deus.